Feeds:
Posts
Comentários

Didática entrevista

A epidemiologista Devra Davis lidera uma cruzada para fazer as pessoas deixarem o celular longe de suas cabeças. Convencida de que a radiação emitida pelo aparelho lesa a saúde, ela escreveu “Disconnect” (sem edição no Brasil), cuja base são pesquisas que começam a mostrar os efeitos dessa radiação no organismo. Nesta entrevista, ela também perguntou: “Vamos esperar as mortes começarem antes de mudar a relação com o celular?”.

 Quais os riscos para a saúde de quem usa celular?
Se você segurá-lo perto da cabeça ou do corpo, há muitos riscos de danos. Todos os celulares têm alertas sobre isso. As fabricantes sabem que não é seguro. Os limites [de radiaçãoo] definidos pelo FCC [que controla as comunicações nos EUA] são excedidos se você deixa o celular no bolso.

 Quais os riscos, exatamente?
O risco de câncer é muito real, e as provas disso vão se avolumar se as pessoas não mudarem a maneira como usam os telefones.  Trabalhei nas pesquisas sobre fumo passivo e amianto. Fiquei horrorizada ao perceber que só tomamos atitude depois de provas incontestáveis de que danificavam a saúde.
O uso do telefone celular pode ter relação com vários tipos de câncer, segundo um estudo internacional supervisionado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).


Estes estudos  em humanos tem provas categóricas?

Quando você diz “provas”, você quer dizer cadáveres? Você acha que só devemos agir quando já tivermos prova? Terei que discordar. Hoje temos uma epidemia mundial de doenças ligadas ao fumo. O Brasil também tem uma epidemia de doenças relacionadas ao amianto. Só recentemente vocês agiram para controlar o amianto no Brasil, apesar de ele ainda ser usado. Ninguém vai dizer que nós esperamos o tempo certo para agir contra o tabaco ou o amianto. Estou colocando minha reputação científica em risco, dizendo: temos evidências fortes em pesquisas feitas em laboratório mostrando que essa radiação danifica células vivas.

 Qual a maior evidência disso?
A radiação enfraquece o esperma. Sabemos por pesquisas com humanos. As amostras de esperma foram divididas ao meio. Uma metade foi mantida sozinha, morrendo naturalmente. A outra foi exposta a radiação de celulares e morreu três vezes mais rápido. Homens que usam celulares por quatro horas ao dia têm a metade da contagem de esperma em relação aos demais.

"Crianças recebem dez vezes mais radiação das micro-ondas do celular." Afirma pesquiasdora

 Crianças correm mais perigo?
O crânio das crianças é mais fino, seus cérebros estão se desenvolvendo. A radiação do celular penetra duas vezes mais. E a medula óssea de uma criança absorve dez vezes mais radiação das micro-ondas do celular. É uma bomba-relógio. A França tornou ilegal vender celular voltado às crianças. Nos EUA, temos comerciais encorajando celular para crianças. É terrível. Fico horrorizada com a tendência de as pessoas darem celulares para bebês e crianças brincarem. Sabemos que pode haver um vício no estímulo causado pela radiação de micro-ondas. Ela estimula receptores de opioides no cérebro.

Jovens usam muitos gadgets que emitem radiação.

Glioma (tumor maligno) e neurinoma (tumor benigno) são os possivéis problemas relacionados ao uso do celular.

Sim, e eles não estão a par dos alertas que vêm com esses aparelhos. Não é para manter um notebook ligado perto do corpo. As empresas colocam os avisos em letras miúdas para reduzir sua responsabilidade quando as pessoas ficarem doentes.

É possível comparar a radiação de celular à fumaça?
Sim. O tabaco é um risco maior. Mas nunca tivemos 100% da população fumando. Agora, temos 100% das pessoas usando celular. Então, ainda que o risco relativo não seja tão grande, o impacto pode ser devastador.

Nos maços de cigarro, há aquelas fotos horríveis. Esse é o caminho para o celular?
Isso é o que foi proposto no Estado do Maine (EUA). Está se formando um grande movimento para alertar as pessoas a respeito dos celulares. Isso é o que aconteceu com o fumo passivo. Vamos começar a ver limites para a maneira e os locais onde as pessoas usam celular. A maioria não sabe que, se você está tentado conversar num celular em um elevador, a radiação está rebatendo nas paredes e fica mais intensa em você e em quem estiver perto.

Além de usar fones, o que é possível fazer para prevenir?
Enviar mensagens de texto é mais seguro do que falar. Ficar com o celular nas mãos, longe do corpo, é bom, e mantê-lo desligado também.

Mas celular é um vício!
Sim. Temos que usá-lo de forma mais inteligente.

Cinco povos ao redor do mundo se destacam pela longevidade: eles vivem, em média, dez anos a mais do que o restante da humanidade. Conheça agora seus principais hábitos de vida.

Gene Stone teve a oportunidade de escrever sobre inúmeros tratamentos adotados com sucesso para curar doenças. Porém, continuava ficando de cama. “Também notei que havia populações em que as pessoas nunca ficavam doentes. Então me ocorreu que eu devesse perguntar a essas pessoas o que elas faziam”, disse Stone em entrevista à VivaSaúde.

As respostas estão no livro Os segredos das pessoas que nunca ficam doentes, recém-lançado nos EUA. Em suas andanças, Stone percebeu que cinco povos eram os mais saudáveis: a Barbagia, na Itália; Okinawa, no Japão; a comunidade dos Adventistas do Sétimo Dia, na Califórnia; a Península de Nicoya, na Costa Rica; e a ilha grega de Ikaria.

Outro americano, Dan Buettner, escreveu sobre o tema em um livro que virou best-seller: Blue Zones: lições de pessoas que viveram muito para quem quer viver mais. Ambos os autores nos ajudaram a traduzir as experiências dessas pessoas. Confira 50 dicas eficazes, comentadas por 21 especialistas brasileiros.

1. Beber água mesmo sem ter sede

A água está para o corpo humano assim como o combustível para o carro. Isso porque, sem manter os nossos níveis hídricos sempre abastecidos, todo o organismo sofre. O líquido ajuda a aumentar a saciedade, evitando compulsões que podem levar ao sobrepeso e ao aparecimento de diversas doenças, ao mesmo tempo que mantém a saúde do sistema renal. “É o baixo consumo de água que resulta em urina concentrada e na maior precipitação de cristais, justamente o que leva à formação das pedras nos rins”, adverte a nutricionista amanda epifânio Pereira, do Centro Integrado de Terapia Nutricional. sucos naturais, chás e água de coco também podem ser usados.

2. Ir ao dentista regularmente

A boca é como um espelho a refletir a saúde do organismo. Daí a importância de permitir que um profissional a examine a cada seis meses. “Muitas doenças sistêmicas, como diabetes, alterações hormonais e lesões cancerígenas podem ser detectadas numa consulta de rotina”, diz o periodontista Cesário Antonio Duarte, professor da Universidade de São Paulo (USP). Além disso, o tratamento das cáries deixa o organismo protegido contra inúmeras doenças. “Cáries não tratadas podem se tornar a porta de entrada para micro-organismos, que poderão atingir órgãos nobres como coração, rins e pulmões”, alerta o especialista.

3. Ingerir mais nozes

Bateu aquela fome de fim de tarde? Experimente comer duas unidades de nozes todos os dias. Esse é um dos segredos dos Adventistas da Califórnia. Cerca de 25% deles comem nozes cinco vezes por semana. E diminuíram pela metade o risco de problemas cardíacos.

4. Temperar com alho

“Ele melhora a saúde do coração, diminui os níveis de colesterol, a pressão arterial e potencializa as nossas defesas”, afirma a nutricionista funcional Gabriela Soares Maia.

5. Comprar alimentos regionais

Se puder privilegiar alimentos produzidos na sua região, sua saúde sairá ganhando. Isso porque os produtos da safra, que não recebem uma grande quantidade de conservantes, em geral, são muito mais ricos em nutrientes. Agora, se você puder ir pessoalmente à feira ou à quitanda do bairro, tanto melhor.

6. Comer mais frutas

Aumentar o consumo de produtos de origem vegetal é uma das medidas mais significativas na prevenção de doenças crônicas. A prática foi observada em pelo menos quatro das cinco Blue Zones e é fácil entender o porquê. “Frutas, legumes e verduras possuem uma quantidade de vitaminas antioxidantes, boas gorduras e fibras que supera em muito a dos alimentos industrializados”, diz Isis Tande da Silva, do Ganep Nutrição Humana.

7. Aprender a planejar

A tensão constante é extremamente prejudicial à saúde. “Ela afeta o funcionamento do sistema nervoso, hormonal e imunológico”, alerta o psicólogo Armando Ribeiro das Neves Neto, professor da USP. Uma boa maneira de controlar essas reações é não deixar todos os compromissos para a última hora. “Acostume-se a anotar suas pendências em uma lista”, diz o especialista em produtividade pessoal Christian Barbosa.

8. Respeitar o relógio biológico

Grande parte das doenças e sofrimentos existentes entre nós é o resultado da transgressão da lei física, e é trazido sobre os indivíduos em virtude de seus próprios hábitos maus. Para que tenhamos saúde plena, devemos comer, beber e repousar como determina o nosso relógio biológico. Evite alimentar-se entre as principais refeições.

9. Aproveitar o contato com a natureza

Sinta o cheiro da grama molhada, escute os pássaros, sente-se na sombra de uma árvore… Pratique essa terapia sempre que possível, já que ela é altamente relaxante. “A vegetação transfere umidade ao ar e, portanto, o ambiente fica ionizado negativamente. Isso provoca uma reação química no organismo, gerando uma sensação de muita calma”, explica a arquiteta Pérola Felipetti Brocanelli, professora da Universidade Presbiteriana Mackenzie. A psicóloga Solange Martins Ferreira, do Hospital Santa Catarina, garante que as atividades ao ar livre também contribuem para recuperação de pacientes: “Quando observam a natureza, eles tiram a atenção da doença”.

10. Levantar peso

A ideia não é apenas ficar forte. “Um dos principais benefícios é o aumento da densidade óssea, auxiliando na prevenção da osteoporose e na reversão da sarcopenia (diminuição no número de sarcômero, a unidade do músculo esquelético). Isso evita a incapacidade funcional, muito comum em idades avançadas”, diz Ricardo Zanuto, fisiologista e professor de Educação Física das Faculdades Integradas de Santo André.

11. Ser um voluntário

Se você ainda não conseguiu um tempo para isso, é bem provável que não tenha encontrado a causa certa. “Quando se apaixonar de verdade por um trabalho social, acabará colocando-o na lista de prioridades”, garante o especialista em produtividade pessoal Christian Barbosa. “Dedicar uma noite por semana já é um bom começo”, diz Dan Buettner.

12. Celebrar a vida

Não espere algo de extraordinário acontecer, mas acostume-se a comemorar as pequenas vitórias. Essa é a receita de longevidade dos italianos que vivem na Sardenha, uma das Blue Zones. Eles chamam a atenção pela disposição que têm para festejar tudo e todos.

13. Cultivar a sua fé

“A religião empresta sentido às buscas e conquistas do ser humano, dá uma nova dimensão às vitórias e também às perdas. Além disso, orienta e ajuda as pessoas a tomar decisões difíceis”, explica Jorge Claudio Ribeiro, professor de Teologia da PUC-SP.

14. Trocar o café pelo chá-verde

Ainda que você precise do café para acordar, faça a substituição. Afinal, o cháverde também contém cafeína, que funciona como estimulante. O bom é que ele oferece outros extras. “Diversos estudos mostram que a bebida atua na prevenção e no tratamento de doenças como Alzheimer e Parkinson”, afirma a nutricionista Andréia Naves.

15. Evitar as carnes vermelhas

A carne é um alimento de dificíl digestão e que compromete a saúde de todo o corpo. Ela  pode ser  substituída por semente oleaginosas e grãos, que são alimentos riquissímos em protéina. Evitar o uso de carne é melhor receita da longevidade.

16. Praticar mais atividade aeróbica

Pode ser uma caminhada ou uma corrida. Esse tipo de exercício tem impacto direto sobre os fatores de risco associados à hipertensão, ao diabetes e à obesidade. “A prática regular melhora a força e a flexibilidade, fortalece ossos e articulações, facilita a perda de peso e diminui o colesterol”, afirma Zanuto.

17. Encontrar a sua tribo

Se você gosta de esportes, certamente irá sentir-se bem com amigos que também gostam. Portanto, faça um esforço para encontrar pessoas com quem possa compartilhar e trocar ideias. “Uma das atitudes mais importantes para garantir a longevidade é cercar-se de pessoas que vão lhe dar suporte e que conectam ou reconectam você com o sentido maior que você dá à sua vida”, diz Dan Buettner.

18. Ser agradável

Facilita a convivência social e cria vínculos com pessoas que poderão apoiá-lo quando necessário. Mas como tornar-se uma pessoa agradável? O autor Dan Buettner é quem responde: “Para isso, é preciso ser interessado e não apenas interessante. Pessoas simpáticas perguntam a você como está em vez de falarem apenas de si mesmas”.

19. Definir seus objetivos

É o que os moradores de Okinawa chamam de ikigai e os habitantes de Nicoya nomeiam de plano de vida. Seja como for, o fato é que eles têm muito bem definidas as suas razões de viver e investem nesses propósitos.

20. Conhecer melhor a ioga

Ela une princípios da meditação, exercícios para o equilíbrio, alongamento e o treinamento de força, com foco na respiração. Tudo isso graças à execução de movimentos sequenciados. “A ioga é ótima para a longevidade, porque fortalece os músculos e ligamentos. Então, os movimentos tornam-se mais fluidos e seguros. A prática tem ainda um efeito importante na redução do estresse”, diz Dan Buettner.

21. Guardar o despertador na gaveta

Dormir bem significa dar ao corpo a chance de se recompor totalmente. “Se você se deita, dorme logo e acorda bem disposto, pode dizer que tem um sono de qualidade”, ensina o neurofisiologista Flavio Alóe, do Centro de Estudos do Sono do Hospital das Clínicas (SP). Quem não tem, corre um risco muito maior de adoecer. “Aqueles que dormem pouco podem ter um aumento do colesterol e dos triglicérides”, complementa Alóe.

22. Apostar nos integrais

Não basta comer pão integral. Com um pouco de criatividade, é possível incluir a farinha e aveia integrais na preparação de inúmeros pratos. Quer um bom motivo para fazer isso? Pois saiba que os alimentos não processados oferecem um aporte muito maior de nutrientes. “No processo de refinamento, o germe dos grãos são retirados, restando praticamente o amido”, explica a nutricionista Patrícia Morais de Oliveira, do Ganep.

23. Pensar na sua vocação

Fazer o que gosta é uma forma eficiente de afastar o estresse. Além disso, é interessante que o seu tipo de trabalho seja capaz de fazê-lo sentir-se realizado. Por último, saiba que aquele que se empenha em uma carreira para a qual há um sentido profundo, além da manutenção da renda, se sente mais motivado a investir na atualização dos conhecimentos. E estudar, como já vimos, é um santo remédio para o cérebro.

24. Doar seus pratos grandes

A população de Okinawa descobriu um jeito de comer 30% menos: eles utilizam pratos de apenas 23 cm de diâmetro. “Há experiências promissoras sendo realizadas por meio da restrição calórica orientada, que já se mostrou capaz de aumentar o tempo de vida de animais de laboratório em 60%”, afirma Ellen Paiva.

25. Ter atitudes positivas

“As emoções fazem parte daquilo que somos e, portanto, são capazes de provocar reações físicas muito claras. As positivas curam e determinam uma maior e melhor qualidade de vida”, diz Armando Ribeiro das Neves Neto.

26. Emagrecer a despensa

Na hora da compra, elimine os alimentos que possuem qualquer quantidade de gordura trans e evite os que contêm gorduras saturadas. E por um motivo simples: as chamadas gorduras ruins têm relação com o aumento dos níveis de colesterol LDL e triglicérides, fazendo crescer o risco de infarto e de acidente vascular cerebral. “Além dos industrializados, convém tomar cuidado com os alimentos de origem animal, como carnes gordas”, alerta a nutricionista Andréia Naves, da VP Consultoria Nutricional.

27. Saber como usar a soja

Em Okinawa, no Japão, o consumo de produtos da soja é o maior de todo o mundo. O resultado? Dos cerca de 1 milhão de habitantes locais, mais de 900 pessoas já passaram dos 100 anos. “O consumo frequente reduz os riscos de doenças cardiovasculares”, afirma a nutricionista Renata C. C. Gonçalves, do Ganep.

28. Estudar sempre

Manter as atividades intelectuais é uma maneira de garantir anos extras de vida e muito mais saúde, principalmente nas idades avançadas. “Exercitar o cérebro vai deixá-lo mais protegido contra doenças. Na prática, isso significa um risco menor de limitações físicas, mesmo se algo der errado porque, nesse caso, a recuperação será muito melhor”, explica o neurologista André Gustavo Lima, do Hospital Barra D´or.

29. Ter um dia só para você

Os Adventistas do Sétimo Dia que vivem em Loma Linda, na Califórnia, recolhem-se em suas casas aos sábados e aproveitam a ocasião para meditar e orar. E esse parece ser mais um bom hábito que poderíamos nos esforçar em copiar. Afinal, essas pessoas vivem de cinco a dez anos mais que o resto da população americana. “Se for impossível fazer isso, tente conseguir pelo menos 15 a 20 minutos por dia para não fazer nada, ou melhor, para pensar apenas. É como marcar uma reunião consigo mesmo”, diz Christian Barbosa

30. Apagar o cigarro

Quem tem menos 40 anos e fuma até 20 cigarros por dia tem quatro vezes mais chances de infartar. Agora, se o consumo for maior, o risco sobe 20 vezes. A explicação é simples: as substâncias do cigarro levam à contração dos vasos sanguíneos, à aceleração dos batimentos cardíacos, além abaixar o HDL, que age como um protetor das artérias.

31. Ouvir a sua música

A musicoterapeuta Maristela Smith, das Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU), tem uma receita interessante para quem quer tirar proveito da terapia da música. “Faça um CD com as músicas que marcaram positivamente a sua vida para criar a sua identidade sonora musical. Escute-o regularmente, principalmente quando estiver precisando melhorar o astral”, ensina a especialista.

32. Respirar com consciência

Quando estiver precisando relaxar ou desacelerar seu ritmo, faça a respiração completa. “Inspire calmamente o ar pelo nariz, contando três segundos. Então, bloqueie a respiração por um tempo, retendo o ar, e expire pela boca em seis segundos. Assim, você estará atuando diretamente sobre o sistema nervoso autônomo”, ensina o educador físico Estélio Dantas, professor da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

33. Curtir os animais

Mesmo que não possa ter um em casa, descubra aqueles com os quais possui mais afinidades e dê a si mesmo a oportunidade de tocá-los. Para a veterinária Maria de Fátima Martins, professora de Zooterapia da USP, a convivência com os bichos é uma rica fonte de benefícios psicológicos, físicos e sociais. Ela coordena uma experiência de terapia assistida com animais em asilos. “O contato com os animais tem melhorado a vida dessas pessoas. Para alguns idosos, a experiência foi tão positiva que eles chegaram a diminuir o número de medicamentos que tomavam”, conta.

34. Ser muito mais ativo

Comece descendo alguns pontos antes do ônibus. Fazer mais atividades a pé ou de bicicleta, cozinhar, cuidar do jardim, brincar com o seu cachorro, todas essas maneiras de se mexer são válidas. “Um dos segredos da longevidade é encontrar meios de se manter sempre em movimento. De preferência, concentre-se em atividades que também lhe dão prazer, e os benefícios serão maiores”, sugere Dan Buettner.

35. Desacelerar o ritmo

“Se você não cria um tempo para estar bem, terá que ter tempo para se cuidar quando ficar doente”, alerta Dan Buettner. O primeiro estágio do estresse é a fase de alerta. Ele nos permite realizar muitas tarefas em pouco tempo e aí nos sentimos bem. Porém, quando persistimos na tensão, o organismo entra em fadiga.

36. Comer mais iogurtes

“Eles reforçam a nossa imunidade”, explica a nutricionista Gabriela Maia, da Clínica Patricia Davidson Haiat. O que as bactérias vivas contidas nesses potinhos também fazem é melhorar o nosso humor. Afinal, é o intestino que responde pela produção de 95% da serotonina de todo o corpo.

37. Investir no ômega-3

Peixes de água fria (salmão, arenque, sardinha, atum), sementes de linhaça moídas e óleos de peixe, de soja e de canola são ótimas fontes desse nutriente, que tem ação comprovada na redução dos níveis de colesterol e de triglicérides, além de ajudar no controle da pressão e de prevenir o risco de tromboses, que danificam os vasos sanguíneos. O composto ainda é coadjuvante em tratamentos neurológicos e de osteoporose.

38. Controlar o álcool

A curto e médio prazos, o álcool pode engordar, acelerar o processo de envelhecimento e ainda aumentar a pressão arterial. A longo prazo, causa dependência e ainda compromete o funcionamento de todos os sistemas do corpo, com danos mais sérios para o fígado.

39. Brincar com as crianças

É uma excelente estratégia para tirar o foco das preocupações, aproximar a família ou amigos e facilitar o contato intergeracional. E todos esses aspectos estão associados à longevidade. Porém, para funcionar, é preciso que se tenha um mínimo de afinidade com os pequenos.

40. Construir o próprio jardim

Mexer com plantas e flores pode ser um hobby interessante e saudável, desde que você realmente consiga tirar prazer da atividade. “Esse tipo de passatempo é muito válido para prevenir o estresse, tanto quanto fazer trabalhos manuais ou cozinhar. Só não pode virar rotina e obrigação. Se a pessoa tem que cozinhar ou cortar a grama todos os dias, por exemplo, isso passará a representar, na vida dela, mais uma fonte de tensão. E aí os benefícios não virão”, explica Armando Ribeiro Neto.

41. Desfrutar do sol

Sentir na pele o calor dos raios solares não é somente uma receita para adquirir disposição e ânimo. Com cerca de 15 minutos de exposição, oferecemos ao corpo algo que só o sol pode dar: a energia necessária para a síntese de vitamina D. “O composto é importantíssimo na fixação de cálcio no organismo, prevenindo a osteoporose, além de fortalecer o sistema imunológico”, afirma a endocrinologista Bárbara Carvalho Silva, da Universidade Federal de Minas Gerais.

42. Perdoar mais

“Para envelhecer bem, é preciso olhar para a nossa trajetória de vida aceitando os erros cometidos e desculpando-se por eles. Da mesma forma, é interessante perdoar aos outros, percebendo que não fomos apenas vítimas”, diz a psicóloga Dorli Kamkhagi, colaboradora do Laboratório dos Estudos do Envelhecimento do Hospital das Clínicas (SP). “Perdoar é retirar objetos pesados de uma mochila que carregamos”, compara.

43. Dar uma chance à laranja

Uma única unidade é capaz de prover a necessidade que o nosso corpo tem de vitamina C a cada dia. “Protege contra o câncer, afasta aquela gripe chata e até ajuda a pele a se recuperar mais rapidamente dos estragos promovidos pelo sol”, diz a nutricionista Gabriela Soares Maia.

44. Alongar o corpo todo

Os problemas mais frequentes do aparelho locomotor, e que estão relacionados ao envelhecimento, são a perda da mobilidade e a osteoporose. “O alongamento, enquanto um treinamento da flexibilidade, é um dos principais fatores de manutenção da autonomia funcional em idosos”, garante o educador físico Estélio Dantas.

45. Cochilar após o almoço

Na Península de Nicoya, na Costa Rica, a sesta é um costume institucionalizado. E, em muitas outras partes do mundo, as pausas para um cochilo também são comuns. “Para quem dorme pouco, essa pode ser uma estratégia compensatória”, diz o neurofisiologista Flavio Alóe. É como renovar as energias, antes de recomeçar a jornada.

46. Priorizar as pessoas amadas

Este é outro ponto comum dos que vivem nas chamadas Blue Zones. “Eles contam com famílias fortes e se apoiam mutuamente”, conta Dan Buettner. Relações verdadeiras nos protegem de situações adversas.

47. Esquecer do sal

A redução de seu consumo é imprescindível para prevenir e controlar a hipertensão que, por sua vez, oferecem as condições favoráveis para que inúmeros problemas de saúde progridam rapidamente, tais como a insuficiência renal e as complicações cardíacas. “O sal em excesso faz o corpo reter mais líquido, o que, além de causar inchaço, também aumenta o volume sanguíneo, elevando a pressão nas artérias”, explica a nutricionista Andréia Naves. Para passar bem longe desse drama, vale cortar o sal de cozinha que adicionamos aos pratos durante a preparação, para colocá-lo apenas no momento de consumir, e sempre usando o bom senso. Outra dica é reduzir o consumo de condimentos, pratos prontos, embutidos ou enlatados.

48. Praticar sexo com prazer

A atividade sexual ajuda a aliviar as tensões, já que, durante a relação, ocorre a liberação de endorfinas, substâncias que melhoram o humor. O sexo ainda faz bem para a circulação. Por fim, vale como um excelente exercício e ajuda a reforçar vínculos de afeto.

49. Criar um tempo para a família

A união e o apoio mútuo entre cônjuges, pais e filhos precisam certo investimento de tempo e atenção. Mas como encontrar períodos livres para dedicar a essas pessoas todo o carinho que merecem? “Vale programar um jogo que possam fazer juntos, que permita confraternizar e trocar ideias”, diz Christian Barbosa.

50. Usar as dicas diariamente

Caminhar só aos finais de semana ou encontrar mais tempo para os amigos apenas nos períodos em que a rotina de trabalho sossega um pouco podem ser um bom começo, na tentativa de transformar a sua vida para melhor. É preciso, porém, garantir que mudanças pontuais se transformem em hábitos, para colher resultados significativos no que diz respeito à saúde e à longevidade. “As pessoas que eu conheci enquanto preparava o livro possuem diferentes segredos, mas uma coisa que todas elas têm em comum é a disciplina; elas usam seus segredos diariamente, ou seja, fazem da boa saúde uma prioridade, um hábito mesmo”, finaliza Gene Stone.

E não só abranda, cura!. Enquanto prática medicinal, a hidroterapia recorre a um dos mais preciosos recursos naturais: a água. Utilizada das mais diversas formas, os tratamentos de hidroterapia podem ainda variar em termos da temperatura a que a água é aplicada. No que toca ao organismo humano, as propriedades curativas da água atuam principalmente a três níveis: nervoso, circulatório e térmico.

Assim como nosso planeta, nosso corpo é 70% água.

Esta terapia não é uma moda recente, se não que data desde a época da antiga civilização egípcia. A história da hidroterapia, passa por todos os processos históricos da humanidade a partir desta civilização em diante. Durante a antiguidade clássica ela teve uma notável popularidade, resultando nos romanos e seus banhos, lugares de reunião que cumpriam um papel fundamental na sociedade da época.                                                                                                                             Ela é uma terapia que parece insignificante, pois nosso corpo está em contato com a água todos os dias, seja para um banho de 10 minutos, um banho de mar ou lavar as mãos. Mas a hidroterapia não é coisa de todos os dias.

A chave da hidroterapia são as temperaturas da água e, quando tomamos banho, a temperatura dela está entre 26º e 33º, sem causar nenhum efeito em nosso corpo, pois a temperatura corporal é de aproximadamente (36º).  Se uma grande parte do corpo humano é composto por água, nada mais natural do que a procura da mesma para curar o organismo. Com propriedades curativas inigualáveis, a água é uma bênção para o corpo na medida em que rejuvenesce a pele e o organismo, alivia todo o tipo de dores, tonificando o corpo e tranquilizando músculos, pulmões, coração e estômago. Em adição, estimula e fortalece os sistemas digestivo, circulatório, imunológico e endócrino.

Na Hidromecanoterapia é a pressão ou a força com que o fluxo de água é aplicado que irá estimular o fluxo sanguineo e da linfa. Nestes, jatos de pressão são usados, contrastes de temperatura.

As propriedades térmicas, físicas e químicas da água agem como um fio condutor das suas temperaturas quentes e frias e o corpo reage instintivamente a estes estímulos. O poder curativo da hidroterapia está assente em dois efeitos principais – o mecânico e o termal. A temperatura a que está a água quando aplicada depende do problema em questão e do tratamento escolhido para o curar. Em termos mecânicos, o corpo também reage de forma instintiva porque as características estáticas e dinâmicas da água permitem que sejam realizados movimentos sem forças gravitacionais reduzidas, ou seja, o corpo movimenta-se mais fácil e livremente dentro do que fora de água.

Na Hidroterapia, a água utilizada tanto pode ser quente, como fria ou então uma combinação das duas. Se, por um lado, o calor gerado por águas aquecidos acalma e relaxa o corpo, a frescura das águas geladas é o ideal para estimular e revigorar o organismo. A própria água pode ser aplicada no corpo de várias maneiras: imersões completas ou parciais, jactos de água, duches, massagens, movimentos realizados dentro de piscinas ou tanques, compressas ou inalações.

Terapia multifacetada

Hoje, a hidroterapia é um dos recursos terapêuticos mais procurados em spas do mundo inteiro.

  1. Hidrotermoterapia: o tratamento incide mais na temperatura da água (envolvimentos, compressas, banhos quentes/frios e de contraste, sauna).
  2. Hidromecanoterapia: o tratamento recorre ao efeito mecânico e térmico em simultâneo, nomadamente através da aplicação de jactos de água dirigidos às zonas do corpo afectadas(hidromassagem, duche, turbilhão).
  3. Hidrocineticoterapia: o tratamento utiliza a redução da acção da gravidade sobre os corpos imersos para facilitar a cinesioterapia, ou seja, trata-se de uma cura através do movimento (piscina terapêutica e tanque de Hubbard).

Além do bem estar geral causado durante uma sessão de hidroterapia, o nosso corpo reage estimulando inúmeros processos curativos.

Existem, no entanto, mais sete subclassificações da Hidroterapia:

  1. Hidromassagem: o tratamento recorre ao efeito mecânico e térmico em simultâneo, nomadamente através de um processo de turbilhonamento e de bolhas.
  2. Hidroginástica: o tratamento requer a realização de movimentos mecânicos e coordenados dentro de água, com o intuito de fortalecer a massa muscular e tonificar o corpo.
  3. Balneoterapia: o tratamento recorre às águas naturais, onde são dissolvidas, de forma natural, substâncias várias, conforme o problema a tratar. Em alternativa, utilizam-se águas onde são dissolvidas, de forma artificial, substâncias várias.
  4. Hidroterapia de efeito interna: os tratamentos que recorrem às águas minerais.
  5. Hidroterapia de efeito externo: todos os outros tratamentos.
  6. Hidroterapia de acção geral: tratamento vocacionado para cuidar de todo o corpo.
  7. Hidroterapia local ou parcial: tratamento vocacionado para cuidar de zonas do corpo específicas.

Posologia e restrições

Terapia para todas as idades.A Hidroterapia está indicada para pessoas de todas as idades, excepto os diabéticos, pessoas que sofrem de esclerose múltipla e de pressão arterial muito alta ou baixa, assim como as grávidas, que devem evitar tratamentos quentes no corpo e banhos de imersão. Quem sofre de reumatismo, inflamações pélvicas ou perturbações de bexiga deve evitar os banhos frios. Para além disso, é importante salientar que os idosos e as crianças podem sentir-se cansadas ou enfraquecidas com tratamentos que requerem calor excessivo.

Regra geral, a Hidroterapia é recomendada para aliviar e curar os seguintes problemas:

  • Alívio de dor e espasmos musculares
  • Melhoramento do movimento das articulações
  • Fortalecimento muscular e treino de resistência
  • Melhoria da circulação sanguínea
  • Reeducação dos músculos paralisados
  • Melhoria das vias respiratórias
  • Manutenção e melhoramento do equilíbrio corporal, coordenação e postura
  • Estimulação da percepção visual
  • Relaxamento físico e emocional
  • Combate ao stress

Uma picada, duas, três. Uma agulhada, mais uma, mais outra e quantas se fizerem necessárias para salvar vidas. Retira-se sangue da região venosa e aplica-se o mesmo sangue em uma região glútea ou lombar estimulando assim  o Sistema Retículo Endotelial, quadruplicando a produção de macrófagos. É a ciência chamada Auto_hemoterapia.

A habilidade do corpo humano de combater sozinho as infecções é realmente mágica. A auto-hemoterapia pode ajudar o corpo a realizar essa mágica facilitando ou permitindo a identificação de organismos infecciosos na corrente sanguínea e desencadeando um contra-ataque. A Auto-hemoterapia, aqui mencionada, refere-se a uma reinjeção subcutânea ou intramuscular, imediata, com o sangue do próprio paciente. Trata-se de uma terapia que pode substituir com sucesso cirurgias e drogas desnecessárias tão danosas a saúde.

Por se tratar de uma técnica eficaz e de baixo custo, que não rende nada aos grandes laboratórios frabicantes de drogas, a Anvisa juntamente com o Conselho Federal de medicina proibiu o procedimento em hospitais.

Desde a introdução deste método por Ravaut em 1913, a autohemoterapia tem sido usada numa vasta gama de problemas de saúde ou enfermidades.

Desde o começo de 1920 até o ano de 1940 foram publicadas centenas de estudos médicos sobre o assunto, conforme listado em algumas publicações médicas; geralmente sob o nome de “Terapia de soro”.

Antes da aplicação do sangue, em média a contagem dos macrófagos gira em torno de 5%. Após a aplicação a taxa sobe e ao fim de oito horas chega a 22%. Durante cinco dias permanece entre 20 e 22% para voltar aos 5% ao fim de sete dias a partir da aplicação da auto-hemoterapia.

Auto-hemoterapia  é segura e eficaz.

O jornal da Associação Médica da América falou muito sobre esse assunto, incluindo uma aprovação da Auto-hemoterapia, em 1938, no tratamento contra psoriase, além do uso desse processo contra outros tipos de doenças. A Auto-hemoterapia também foi sugerida como uma medida preventiva.

Em 1935, um relatório apontando resultados favoráveis contra a hemorragia cerebral (derrame), garantia que a auto-hemoterapia era totalmente indicada como prevenção em casos com disposição hereditária de pressão alta.

A ação benéfica da hemoterapia (auto-hemoterapia) é atribuída a presença de antígenos no sangue os quais estimulam a produção de anticorpos quando injetado no tecido estimulando assim  aumento dos macrófagos, que fazem a limpeza de tudo do organismo, das bactérias, dos vírus, das células cancerosas (chamadas de neoplásicas),enfim, fazem uma limpeza total. Elimina, inclusive, a fibrina, que é o sangue coagulado”

Este estudo é apoiado no trabalho realizado pelo Dr. E. C. Rosenow (da Fundação Mayo, 1915-1944), que estabeleceu a presença de um organismo causador, ou antígeno no sangue, durante o estagio ativo de diversas doenças. Desse modo pode-se comparar a ação da auto-hemoterapia com a ação de uma vacina autógena.

As doses intramusculares, discutidas na literatura, costumam ficar dentro da escala de 5 a 20ml.

A literatura histórica mostra que duas aplicações de hemoterapia semanais são o ideal e suficiente, e que esse processo recebe o apoio sugerido pelo Dr. Rosenow para o caso de doenças crônicas. O Dr. Rosenow recomenda, no caso de doenças graves, que uma pessoa da própria família seja instruída a administrar a terapia, já que o tratamento deverá ser continuo.

Medicina faz mal à  saúde

O médico Vernon Coleman diz que os hospitais mais matam do que curam e que é preciso ser muito saudável para sobreviver a um deles.

Dr. Vernon Coleman é clinico geral e abandonou a carreira para escrever livros.

Um selo colado na testa advertindo sobre os perigos que podem causar à saúde. Se dependesse do inglês Vernon Coleman, esse seria o uniforme ideal dos médicos. Dono de um diploma em medicina e um doutorado em ciências, Coleman abandonou a carreira após dez anos de trabalho para ganhar a vida escrevendo livros com títulos sugestivos do tipo Como Impedir o seu Médico de o Matar.

Autor de 95 livros, o inglês é um auto-intitulado defensor dos direitos dos pacientes. Em seus textos, publicados nos principais jornais do Reino Unido, costuma atacar a indústria farmacêutica – para ele, a grande financiadora da decadência – e, principalmente, os médicos que recusam tratamentos que excluam a utilização de remédios e cirurgias. Dono de opiniões polêmicas, Coleman ainda afirma que 90% das doenças poderiam ser curadas sem a ajuda de qualquer droga e que quanto mais a tecnologia se desenvolve, pior fica a qualidade dos diagnósticos.

Como um médico deve se comportar para oferecer o melhor tratamento possível a seu paciente?
Os médicos deveriam ver seus pacientes como membros da família. Infelizmente, isso não acontece. Eles olham os pacientes e pensam o quão rápido podem se livrar deles, ou como fazer mais dinheiro com aquele caso. Prescrevem remédios desnecessários e fazem cirurgias dispensáveis. Ao lado do câncer e dos problemas de coração, os médicos estão entre os três maiores causadores de mortes atualmente. Os pacientes deveriam aprender a ser céticos com essa profissão. E os governos, obrigá-los a usar um selo na testa dizendo “Atenção: este médico pode fazer mal para sua saúde”.

Qual a instrução que pacientes recebem sobre os riscos dos tratamentos?

A maior parte das pessoas desconhece a existência de efeitos colaterais. E grande parte dos médicos não conhece os problemas que os remédios podem causar. Desde os anos 70 eu venho defendendo a introdução de um sistema internacional de monitoramento de medicamentos, para que os médicos sejam informados quando seus companheiros de outros países detectarem problemas. Espantosamente, esse sistema não existe. Se você imagina que, quando uma droga é retirada do mercado em um país, outros tomam ações parecidas, está errado. Um remédio que foi proibido nos Estados Unidos e na França demorou mais de cinco anos para sair de circulação no Reino Unido. Somente quando os pacientes souberem do lado ruim dos remédios é que poderão tomar decisões racionais sobre utilizá-los ou não em seus tratamentos.

"Medicos estão entre as três maiores causas de morte atualmente". conclui

Você considera que os médicos são bem informados a respeito dos remédios que receitam a seus pacientes?

A maior parte das informações que eles recebem vem da companhia que vende o produto, que obviamente está interessada em promover virtudes e esconder defeitos. Como resultado dessa ignorância, quatro em cada  dez pacientes que recebem uma receita sofrem efeitos colaterais, sensiveis, severos ou até letais. creio que uma das principais razões para a epidemia internacional  de doenças induzidas por remédios é a ganância das grandes empresas farmacêuticas. Elas fazem fortunas fabricando e vendendo remédios, com margens de lucro que deixam a indústria bélica internacional parecendo caridade de igreja. 

E  o  que os pacientes deveriam fazer? Enfrentar doenças sem tomar remédios?

Quatro de cada dez pacientes que recebem uma receita sofrem efeitos colaterais sensíveis, severos ou até letais. A cultura da prescrição abusiva de medicamentos tem levado milhões a sepultura.

É perfeitamente possível vencer problemas de saúde sem utilizar remédios. Cerca de 90% das doenças melhoram sem tratamento, apenas por meio do processo natural de autocura do corpo. Problemas no coração podem ser tratados (não apenas prevenidos) com uma combinação de dieta, exercícios e controle do estresse. São técnicas que precisam do acompanhamento de um médico. Mas não de remédios.

É perfeitamente possível vencer problemas de saúde sem utilizar remédios. Cerca de 90% das doenças melhoram sem tratamento, apenas por meio do processo natural de autocura do corpo. Alimentação saúdavel e exercicíos fisicos, eis o segredo da cura.

Que problemas os remédios causam?

Sonolência, enjôos, dores de cabeça, problemas de pele, indigestão, confusão, alucinações, tremores, desmaios, depressão, chiados no ouvido e disfunções sexuais como frigidez e impotência.

Em um artigo, você cita três greves de médicos (em Israel, em 1973, e na Colômbia e em Los Angeles, em 1976) e diz que elas causaram redução na taxa de mortalidade. Como a ausência de médicos pode diminuir o risco à vida?

Hospitais não são bons lugares para os pacientes. É preciso estar muito saudável para sobreviver a um deles. Se os médicos não matarem o doente com remédios e cirurgias desnecessárias, uma infecção o fará. Sempre que os médicos entram em greve as taxas de mortalidade caem. Isso diz tudo.

Muitas pessoas optam por terapias alternativas. Esse é um bom caminho?

A medicina natural será a nova ortodoxia. Afirma Coleman

Em diversas partes do mundo, cada vez mais gente procura práticas alternativas em vez de médicos ortodoxos. De certa maneira, isso quer dizer que a medicina alternativa está se tornando a nova ortodoxia. O problema é que, por causa da recusa das autoridades em cooperar com essas técnicas, muitas vezes é possível trabalhar como terapeuta complementar sem ter o treinamento adequado. Medicina alternativa não é necessariamente melhor ou pior que a medicina ortodoxa. O melhor remédio é aquele que funciona para o paciente.

Em um de seus livros, você afirma que a tecnologia piorou a qualidade dos diagnósticos. A lógica não diz que deveria ter acontecido o contrário?

Testes são freqüentemente incorretos, mas os médicos aprenderam a acreditar nas máquinas. Quando eu era um jovem doutor, na década de 70, os médicos mais velhos apostavam na própria intuição. Conheci alguns que não sabiam nada sobre exames laboratoriais ou aparelhos de raio X e mesmo assim faziam diagnósticos perfeitos. Hoje, os médicos se baseiam em máquinas e testes sofisticados e cometem muito mais erros que antigamente.

Quanto mais tecnologia, pior aqualidadae dos diagnósticos.

Você faz ferrenha oposição aos testes médicos realizados com animais em laboratórios. De que outra maneira novas drogas poderiam ser desenvolvidas?

Faz muito mais sentido testar novas drogas em pedaços de tecidos humanos que num rato. Os resultados são mais confiáveis. Mas a indústria não gosta desses testes porque muitos medicamentos potencialmente perigosos para o homem seriam jogados fora e nunca poderiam ser comercializados. Qual o sentido de testar em animais? Existe uma lista de produtos que causam câncer nos bichos, mas são vendidos normalmente para o uso humano. Só as empresas farmacêuticas ganham com um sistema como esse.

O que você faz para cuidar da saúde?
Eu raramente tomo remédios. Para me manter saudável, evito comer carne, não fumo, tento não ficar acima do peso e faço exercícios físicos leves. Para proteger minha pressão, desligo a televisão quando médicos aparecem na tela apresentando uma nova e maravilhosa droga contra depressão, câncer ou artrite que tem cura garantida, é absolutamente segura e não tem efeitos colaterais.

Copyright © Abril S.A. Superinteressante – fevereiro 2004

Transgênicos são produtos criados pela engenharia genética a partir da introdução de genes de determinados organismos (animais ou vegetais) em outros seres vivos que jamais se cruzariam naturalmente. Essa nova tecnologia permite, por exemplo, introduzir um gene humano num porco, ou um gene de rato, de peixe, de bactéria ou de vírus em espécies de arroz, soja, milho, tomate, batata ou qualquer outro vegetal.

As empresas que mais têm investido na produção de transgênicos são as multinacionais que atuam na produção de insumos para agricultura, produzindo sementes e agrotóxicos.

As multinacionais que estão promovendo a engenharia genética são as únicas que têm a ganhar com essa perigosa experiência.

Como as variedades de plantas melhoradas pelas comunidades indígenas e de pequenos agricultores através dos séculos não podem ser patenteadas, foram criados por essas empresas multinacionais, organismos animais ou vegetais “novos”: os transgênicos, que são considerados “invenções” e, portanto, passíveis de patente.

Assim sendo, ao plantar uma semente transgênica, o agricultor sempre deve pagar pelo direito de uso ao dono da patente da semente.

As multinacionais, que durante anos condicionaram a agricultura ao uso indiscriminado de agrotóxicos, preparam-se para tomar o pouco que restava da autonomia do produtor rural um – a posse da semente.

Note-se que as grandes multinacionais, que não por mera coincidência, são também produtoras de agrotóxicos, nos últimos anos compraram quase a totalidade das empresas nacionais que de forma independente produzem sementes, em flagrante tentativa de monopólio global que vai ser concretizado através das patentes dos transgênicos.

A detentora dessa tecnologia, apoiada pelos mecanismos de globalização do FMI e OMC, pretende deixar sobreviver apenas as grandes monoculturas comerciais do chamado “agribusiness”, condenando à marginalização milhões de pessoas envolvidas com a agricultura familiar.

No Brasil, a empresa que mais pressiona pela liberação dos transgênicos, utilizando até métodos excusos como o contrabando de sementes da Argentina e Paraguai, é a “Monsanto”.

A “Monsanto” desenvolveu uma variedade de soja transgênica que é resistente ao herbicida Roundup, produzido pela própria empresa. Um gene retirado de algas e bactérias foi transferido para a soja a fim de que ela não morra como conseqüência do herbicida Roundup que é usado para eliminar as plantas indesejáveis que invadem a lavoura.

Além disso, as multinacionais do “Agribusiness” já estão preparando novos cultivares com o gene “terminator”, cuja função é fazer com que a semente colhida pelo agricultor se “suicide” ao ser semeada, obrigando-o a comprar novas sementes vendidas pelo produtor de transgênicos.

Transgênicos: Não engula essa!

Os EUA são atualmente o maior produtor mundial da soja, seguido de perto pelo Brasil. Enquanto os Estados Unidos se dedicam à plantação de soja exclusivamente transgênica, o Brasil, até o ano passado tinha a sua produção totalmente não transgênica, o que lhe garantia a exportação, principalmente para a Comunidade Européia, Japão e China, que relutam em importar produtos transgênicos.

A introdução da soja transgênica no Brasil vai favorecer unicamente aos EUA, que atualmente tem dificuldades em exportar a sua soja para a Europa, e vamos perder esse diferencial importante e ficar à mercê dos interesses das grandes multinacionais, que querem obrigar os consumidores europeus a aceitar a soja americana transgênica, por falta de opção.

É com pesar que vemos nosso governo submeter-se aos interesses do grande poder econômico e tecnocrático sem pátria, editando medida provisória, inconstitucional e imoral, que fere decisões judiciais e chega ao cúmulo de conferir legalidade a uma safra de soja transgênica resultante do plantio de sementes contrabandeadas, já que sua produção estava proibida no país.

Pesquisas científicas já comprovaram o perigo dos transgênicos para a saúde e o meio ambiente.

 

Riscos para a sua saúde.

Aumento das alergias: Quando se insere um gene de um organismo em outro, novos compostos podem ser formados, alterando principalmente proteínas e aminoácidos do organismo que recebeu o gene.

Se esse produto, um transgênico, for alimento, as substâncias modificadas nele contidas podem provocar alergias em parcelas significativas da população. Na Inglaterra, uma pesquisa constatou um aumento de 50% dos casos de alergia aos produtos à base de soja geneticamente modificada.

Aumento de resistência aos antibióticos: Para se certificar de que a modificação genética deu certo, são inseridos nos transgênicos os chamados genes marcadores de bactérias resistentes a antibióticos. Com isso, pode ocorrer o aumento da resistência a antibióticos nas pessoas que consumirem esses alimentos, ou seja, em casos da necessidade do uso de antibióticos, pode ocorrer a redução ou anulação da eficácia desses medicamentos, o que é um sério risco para a Saúde Pública.

Aumento das substâncias tóxicas nos alimentos: Existem plantas e microorganismos que produzem substâncias tóxicas para se defender de seus inimigos naturais, como os insetos, por exemplo. Se genes desses organismos forem introduzidos em alimentos transgênicos, o nível dessas toxinas aumenta muito, o que irá causar danos à saúde das pessoas que consumirem esses produtos. Até o momento, são poucos os estudos sobre a avaliação da toxicidade dessas substâncias introduzidas intencionalmente nas plantas. Tais substâncias estão entrando na composição dos nossos alimentos sem qualquer estudo prévio que garanta a segurança como é obrigatório para outros aditivos tais como corantes, acidulantes, aromatizantes etc.

No que se refere à saúde humana, teme-se que alimentos produzidos com organismos geneticamente modificados possam aumentar, intencional ou inadvertidamente, o nível de toxinas naturais já existentes em muitas plantas, produzindo enfermidades diversas.

Riscos ao meio ambiente: Os perigos que os transgênicos podem oferecer ao meio ambiente são muitos e não foram suficientemente avaliados.Com a inserção de genes de resistência aos agrotóxicos em certos produtos transgênicos, as pragas e plantas invasoras poderão adquirir a mesma resistência, o que vai exigir a utilização de quantidades cada vez maiores de agrotóxicos nas plantações, contaminando os alimentos, a água e o solo.

Através da polinização, vários dos genes introduzidos nas plantas podem ser introduzidos em plantas nativas ou outras plantas cultivadas não transgênicas, havendo o risco de causar a extinção de espécies e modificações nos ecossistemas.

A introdução de genes para produção de substâncias tóxicas nas plantas, com o intuito de controlar as pragas, pode levar à extinção de espécies do mundo animal. Tal fato ocorreu com o milho bt, nos EUA, que praticamente extinguiu a espécie de borboleta monarca, que não é praga do milho, mas sim um agente polinizador.

Para concluir, deve-se ressaltar que não há estudos suficientes sobre os riscos que os transgênicos oferecem ao meio ambiente. Em várias partes do mundo, pesquisadores alertam para o perigo que representa a introdução de uma espécie transgênica, pois o gene modificado pode se propagar sem controle, trazendo alterações imprevisíveis em um ecossistema.

Transgênicos? No meu prato não!

Para  conhecer a lista de produtos transgênicos e obter mais informações sobre os perigos destes alimentos, visite o sitío do greenpeace.

A nossa saúde não depende da ingestão de drogas receitadas por médicos, nem da aplicação de acupuntura promovida por terapeutas. Uma vida saudável depende unicamente de uma boa alimentação rica em vitaminas, sais minerais, cálcio e outros nutrientes essenciais ao organismo humano. Ela se completa com um repouso diário de oito horas e também a prática de exercício físico ao despertar e alongamento antes de dormir, além de firme confiança em Deus, pois “Ele é quem perdoa as tuas iniqüidades; e sara todas as tuas enfermidades”, diz o salmista Davi, em Salmo 103: 3.

Além do que acabamos de expor, dependemos de outros fatores que promovem a saúde holística como a ingestão de água pura, respirar ar puro, desenvolver pensamentos puros e viver em harmonia com a Natureza atendendo os seus reclamos. Dentre os reclamos da Natureza, existe um fator pouco conhecido e tão importante quanto a alimentação saudável – o local apropriado para a cama onde você dorme. Devemos ser inteligentes para entender os reclamos do nosso corpo e, dessa forma, evitar a irradiação telúrica das quais milhares de pessoas são vítimas.

IRRADIAÇÃO TELÚRICA – O QUE È?

É muito comum pessoas se queixarem de dores em todo o corpo, febre reumática, depressão e outros sintomas ao despertar de um sono. Quando isso acontece, indica que a pessoa foi vítima de uma irradiação telúrica e, pode fazer desaparecer as dores sem que haja necessidade de ingerir alguma droga, basta entender que o corpo está reclamando, pedindo para você mudar sua cama de lugar. As dores corporais e a mudança de comportamento são meios usados pelo seu corpo para indicar que você está dormindo sobre zonas patogênicas e, por essa razão, está sendo prejudicado pela irradiação telúrica que sobe do subsolo.

Casos de esterelidade já foram registrados em casais que dormem sobre áreas de irradiação telúrica. O problema foi resolvido com a mudança do lugar ou posição da cama.

A irradiação telúrica é altamente nociva à nossa saúde e pode causar dores de cabeça crônicas, crises de asma, dores na região do coração, irritabilidade, insônia, dores estomacais, hemorragias, cólicas e até mesmo esclerose múltipla ou abortos. São poucos os médicos e terapeutas holísticos que conhecem essa relação entre zonas patogênicas e doenças sintomáticas.

AS ZONAS PATOGÊNICAS

Existem no subsolo veios subterrâneos de água, fendas, aterros geológicos, cavernas, tubulações de água e faixas geomagnéticas que exercem influências sobre o nosso corpo.  Quando a cama onde dormimos se encontra sobre um local de irradiação telúrica, adoecemos sem causa aparente.

Crianças que tem dificuldade em dormir ou choram muito a noite podem estar sobre uma área irradiada. Portanto muita atenção.

As zonas patogênicas são facilmente identificadas por bebês e crianças pequenas de até oito anos de idade, além dos animais. Isto é possível porque tanto animais quanto crianças pequenas vivem em harmonia com a Natureza atendendo aos seus reclamos. Animais e crianças têm uma sensibilidade natural para identificar as zonas patogênicas e, durante o sono, procuram instintivamente fugir das irradiações telúricas. Algumas crianças choram a noite toda ou gritam e se viram constantemente no berço, deixando os pais incomodados e nervosos por perderem a noite tentando fazê-las dormir. Ao invés de mudar o berço de lugar, na manhã seguinte os pais levam a criança ao médico que satura seu delicado organismo infantil de drogas desnecessárias, causando outros males.

È muito comum crianças perderem o gosto pela escola, ou ter baixo rendimento escolar e preguiça de escrever ou vontade de ir com freqüência ao banheiro e se mostram nervosas e irrequietas. Trocando o local da carteira, na classe, ou mudando o local da cama, em casa, tais sintomas podem desaparecer.

Preste atenção no comportamento do seu cão e do seu gato: O cão não se deita em zona patogênica. O gato é o único animal que gosta de deitar sobre as zonas de irradiação.

Se você tem dúvidas dessas coisas, observe o comportamento do seu filho menor de 8 anos faça um teste: no local onde sua cama ou o berço do seu filho costuma estar, amarre um cão e veja como ele se comporta. Se por ali passa um veio subterrâneo de água ou encanação ou outra causa de irradiação telúrica, o cão foge, ele não se deita nessa zona patogênica. O gato é o único animal que gosta de deitar sobre as zonas de irradiação. As abelhas e as formigas também se sentem bem sobre os veios subterrâneos, porque são atraídos pelas radiações. Os seres vivos sensíveis às radiações, que fogem dos veios subterrâneos para não enfraquecer e adoecer, são o cão, o cavalo, a vaca, o porco e as galinhas.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.